Concerto Orquestra de Sopros da EPABI

cabecPi.png

Concerto Orquestra de Sopros da EPABI
Francisco Luís Vieira, Direção
14 de março | 21 h
Grande Auditório da Faculdade de ciências da Saúde (UBI)

 

Programa

 

David Maslanka (1943-2017) | Mother Earth

Leonard Bernstein (1918-1990) / Transc. Clare Grundman | Slava

Sylvester Levay (1945-) / Arr. Johan de Meij | Elisabeth (The Musical)

Frank Ticheli (1958-) | Rest

Óscar Navarro (1981-) | Paconchita (Abertura Latina)

 

Orquestra de Sopros da EPABI

23517830_1387209844737717_7282909591974293846_n

A Orquestra de Sopros da EPABI é uma formação artística inserida nas disciplinas de Prática de Conjunto, do curso Básico de Instrumento, de Naipe e Orquestra e Naipe, Orquestra e Prática de Acompanhamento, dos cursos de Instrumentista de Cordas e Teclas e de Sopros e Percussão da Escola Profissional de Artes da Covilhã. É constituída por cerca de 60 alunos de diferentes idades e dos diversos níveis de ensino lecionados na instituição, sendo dirigida pelo Professor Francisco Luís Vieira, desde setembro de 2013.
Ao longo da sua existência, a orquestra tem-se apresentado regularmente a público, quer como componente formal de avaliação, quer na modalidade de formação em contexto de trabalho ou ainda no âmbito das parcerias ativas com as instituições locais e regionais, seguindo um princípio de forte compromisso social e cultural ao serviço das comunidades. Entre as inúmeras atuações, destacam-se o concerto no Centro Cultural de Belém, no âmbito dos 1001 Músicos – Festa das Escolas de Música, na Praça Central de Pínzio, no concelho de Pinhel, no Cine-Teatro Avenida em Castelo Branco, no Auditório Municipal de Tarouca, no anfiteatro do castelo de Belmonte, no Centro Cultural de Celorico da Beira, na Igreja Matriz de Árvore, em Vila do Conde, no Grande Auditório da UBI e na Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão, em 2016 e 2017, para além de diversos concertos no Teatro Municipal da Covilhã e nos auditórios da EPABI.

A orquestra de Sopros da EPABI, dirigida pelo Professor Francisco Luís Vieira, participou na 1ª edição (2014) do Concurso Internacional Filarmonia D’Ouro, promovido e organizado pela Academia Portuguesa de Bandas, no Europarque (Santa Maria da Feira), no qual alcançou o 3º prémio. Na 2ª edição do mesmo concurso (2015), obteve o 1º prémio (2º lugar). Na 4ª edição (2017), conquistou o 1º prémio (1º lugar).

A orquestra de sopros foi dirigida nos últimos anos pelos professores António Costa, César Ramos e Carlos Salazar. A orquestra teve ainda a direção de maestros convidados como José Eduardo Gomes, José Ricardo Freitas, Filipe Fonseca, Francisco Sequeira, João Afonso Cerqueira, Francisco Ferreira, Tiago Oliveira e José Ignacio Petit Matias.

Francisco Luís Vieira

francisco-luis-vieira.jpg

Natural de Vila do Conde, diplomou-se na Escola de Música do Conservatório Nacional de Lisboa, sob a orientação do professor Lopes da Cruz, tendo também estudado com os professores Santos Pinto e Ricardo Lopes e, posteriormente, na Escola Superior de Música de Lisboa, na classe do professor Andrew Swinnerton. Frequentou vários cursos de aperfeiçoamento em Portugal e no estrangeiro.

Em 1988 obteve o 1º Prémio do Concurso da Juventude Musical Portuguesa e o 1º Prémio do Concurso Jovens Músicos Portugueses, o qual lhe permitiu apresentar-se como concertista na extinta Orquestra Sinfónica da R.D.P, sob a direção do Maestro Silva Pereira.

Como concertista também se apresentou com a Orquestra das Escolas de Música; Orquestra da Juventude Musical Portuguesa; Orquestra Sinfónica Juvenil; Sinfonietta de Lisboa; Orquestra de Câmara e Banda Sinfónica da Guarda Nacional Republicana.

Na temporada de 1989 foi solista na Orchestre de Jeunes de la Meditérranée, sob a direção do Maestro Michel Tabachnik, em França Integrou regularmente, como convidado, a Orquestra da Fundação Calouste Gulbenkian; Orquestra do Teatro Nacional de S. Carlos; Nova Filarmonia Portuguesa e Orquestra Regie Sinfonia do Porto.

Atuou em programas para a R.D.P e R.T.P. Tem realizado diversos recitais de música de câmara e a solo. Ao longo da sua carreira, atuou em Portugal Continental, Açores e Madeira, Espanha, França, Luxemburgo, Bélgica, Grécia, Itália, Suíça e Suécia.

Frequentou aulas de direção com o maestro Jean-Sébastien Béreau.

Foi professor de oboé no Conservatório de Música de Coimbra, na Academia de Música de Almada, no Conservatório Regional de Castelo Branco, no Collegium Musicum de Seia, no Conservatório Metropolitano de Música de Lisboa, na Universidade de Évora, na Escola de Música Nossa Senhora do Cabo (Linda-a-Velha) e no Conservatório de Música D. Dinis.

Foi solista/chefe de naipe na Orquestra e Banda Sinfónica da Guarda Nacional Republicana.

É frequentemente convidado a integrar várias orquestras portuguesas. Tem realizado masterclasses e tem sido convidado como orientador em vários workshops/estágios/festivais de orquestras de jovens, assim como tem sido júri em alguns concursos.

É fundador e diretor do Ensemble Palhetas Duplas (sediado em Lisboa) e do OboéFagote Ensemble (sediado no Porto).

É membro fundador da Douru’s Orquestra.

É professor de oboé no Conservatório de Música da Covilhã e no Conservatório de Música de S. José da Guarda.

Leciona oboé, música de câmara e orquestra de sopros na EPABI-Escola Profissional de Artes da Covilhã, onde exerce a função de diretor artístico.

Create your website at WordPress.com
Iniciar
%d bloggers like this:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close